Arquivo da tag: menina

26 homens turcos estupraram uma menina de 12 anos. A justiça decidiu que a culpa foi da adolescente

zb-125

zb-147Necla teve 12 anos quando aceitou um trabalho de faxina no escritório do presidente do distrito Kiziltepe no sudeste da Turquia. Mas em vez disso ela foi estuprada. Como se descobriu depois as duas mulheres, que aliciaram Necla para tal trabalho de faxina, foram alcoviteiras. Depois do estupro elas e o homem ameaçaram que iriam contar a todos que ela foi deflorada, se ela denunciasse o estupro. No interior da Turquia menina deflorada é uma vergonha tão grande para a família que muitas vezes acabam por matá-la.

zc-046

zb-166Depois desse dia e dessa ameaça não teve escape. Teve que abrir as pernas e a boca para diversos homens, muitos deles de destaque como dois oficiais do exército e um diretor de uma escola. Finalmente foi mandada para uma casa de meninas pela secretaria de juventude, por causa de sua vida “dissoluta”, mas os homens a acharam e levaram-na para estuprá-la mais vezes. Ameaçaram até que iriam pegar e estuprar a irmã pequena dela se ela tivesse rebelde e não cooperaria em tudo.

zc-070

 

 

Mas o processo virou um escândalo. Os advogados da menina foram hostilizados e ameaçados e nem apareciam no processo. O juiz exigiu para a menina mostrar diante de todos as posições em que foi estuprada.  Com muita vergonha a adolescente mostrou como ela foi violada, mas não cumpriu satisfatoriamente a exigência. Por isso o juiz contestou a sua apresentação.

Depois de sete meses de estupros Necla criou coragem e fez depoimento na polícia. A Turquia é um país muçulmano, mas ainda não tem a xaria. Há um século ela tem uma constituição secular, obra do grande presidente Atatürk. Por isso, pela lei, uma mulher pode fazer um depoimento sem precisar de testemunhas masculinas.

zd-01a

O processo demorou 7 anos, e todos os réus ficavam em liberdade e aproveitaram para ameaçar a menina e influênciar testemunhas. E no final o juiz declarou que a menina evidentemente não foi ameaçada nem obrigada, mas se teria prostituída e levada uma vida bem dissoluta.

Mesmo assim os réus deveriam ser condenados a pelo menos cinco anos por terem sexo com uma menor, mas recebiam penas menores.

Men smoking sheesha (water pipe) in a cafe in the Arab Souk in the Old City, Jerusalem, Israel.

zd-113Muitos homen turcos tratam garotas como seres humanos de segunda classe. Por isso não se importam com os direitos e o bem-estar delas.    


Alunas e estudantes de escolas e faculdades que se prostituem, têm que dar de graça para seus colegas

Alunas e estudantes de escolas e faculdades que se prostituem, têm que dar de graça para seus colegas

Estima-se que no mundo existem 40 milhões de alunas de escolas e mais 12 milhões de faculdades que se prostituem ou já se prostituíram. Entre 40 e 50% delas são obrigadas para darem de graça aos colegas de escola porque eles acham que uma prostituta não precisa ser respeitada e pode ser usada à vontade.

Muitas adolescentes e jovens, que estudam em escolas ou faculdades, prostituem-se de vez em quando, algumas em uma situação especial, outras pelo tempo todo. Umas 15% são obrigadas por terceiros, que podem ser familiares, cafetões ou simplesmente outros estudantes. Mas a maioria se prostitui pela pobreza ou simplesmente para puder comprar um celular ou outra coisa, que colegas mais sortudos ganham de graça de seus pais ou de outros, ou alguns furtam esses produtos. Essa última parte de meninas é normalmente condenada abertamente. As meninas, que se prostituem por pobreza ou por força de terceiros, são condenadas também pela sociedade hipócrita, mas não publicamente, porque no fundo as pessoas sabem que elas não têm nenhuma culpa.


Já que as mas línguas sempre procuram a quem botar uma culpa, o alvo delas são as meninas que se prostituem para comprar celulares, roupas, lanches ou até material escolar. Mas julgando mais sobriamente: que mal tem nisso, se uma menina ganha seu celular com seu próprio trabalho em vez de pechinchar ou até extorquir os pais, como acontece muito, ou simplesmente furtar o produto angariado? Na verdade é o ideal uma pessoa aprender usar seus próprios dons para ganhar dinheiro. A menina, que se prostitui, deve servir como exemplo bom, em vez de ser diabolizada e colocada como exemplo mau.

Mas já que a realidade é uma outra, as meninas não têm respaldo na sociedade e muito menos nos professores e diretores das escolas e faculdades.

Os outros estudantes, em vez de terem as alunas prostitutas como exemplos bons, se sentem superior a elas e sabem que elas não acham respaldo em ajuda nos professores. Assim sentem se animados para maltratar, abusar e explorar tais meninas, porque eles sabem que as vítimas não procuram a ajuda dos professores, ou, se procurassem, não receberiam ajuda adequada e as punições para os infratores seriam muito leves.


Tudo isso contribui para que os outros estudantes acham que têm o direito de usarem de graça as meninas de sua turma, que se prostituem. Cometem estupros, e se a puta não tem um cafetão para protegê-la, vai ter que procurar um. Senão corre risco que alguns rapazes ou até também meninas de sua turma tomam a iniciativa e submetem a puta para se prostituir em favor deles.

Se antes talvez só se prostituía uma vez por semana para puder comprar alguma coisa, terá que se prostituir todos os dias entregando o dinheiro para outros. Assim elas passam a ser prostitutas forçadas. O único consolo é que agora sobem no conceito da sociedade que acha a prostituição por força menos “suja” do que a prostituição para comprar celulares ou roupas.

Mais de 7 milhões de alunas vivem na situação de serem prostituídas à força por terceiros. 30% por parentes como os pais, tios, primos e mais, 45% por cafetões profissionais e 35% pelos próprios estudantes. (Os números resultam a mais de 100% porque algumas meninas são exploradas por estudantes da turma da menina que são ao mesmo tempo já cafetões profissionais e possuem várias putas.)

88% dessas meninas putas já foram agredidas sexualmente na escola, e 63% já foram estupradas por outros alunos ou forçadas por eles para terem sexo. 23% de tais putas novinhas acaba não recebendo nenhuma parte da remuneração que os clientes pagam, e 35% recebem só 10% ou menos de seus “chefes”. São mundialmente mais de 2 milhões de meninas nesta situação.

Mesmo os 12% que nunca foram agredidas falam que costumam comprar a benevolência de seus colegas, dando presentes para eles ou para o menino mais forte da turma para ele proteja a puta novinha.


61% das meninas dizem que recebem de vez em quando uma surra por seus “chefes” ou colegas da turma, na maioria das vezes porque elas ganhavam menos do que esperado. Muitas recebem também surras quando são estupradas, mesmo se se submetem sem resistir, e outras dizem que recebem surras mesmo se ganham bem, simplesmente para melhorar a educação e submissão em geral e para fazê-las mais dóceis e humildes.


Apesar de todas as dificuldades 64% das putas que frequentam escolas conseguem sair da prostituição depois de terminar a escola, e 82% das putas de faculdades conseguem o mesmo objetivo. Tem muitos exemplos positívos e encorajadores de moças que bancaram os estudos com prostituição e viraram depois médicas, advogadas, professoras e outras pessoas bem conceituadas.


65% das alunas foi molestada, bolinada, encoxada ou abusada dentro da própria sala de aulas. Delas, 29% se defenderam com sucesso, 20% de defenderam mas depois pararam de resistir, 16% resistiram, mas foram superadas à força, 31% não se defenderam e 8% cooperaram ativamente para serem abusadas. 

59% das meninas já entraram em um banheiro masculino. 18% já foi abusada em um banheiro público de uma escola.

47% das alunas já pensaram em mostrar seus “dotes” ou fazer serviço sexual para melhorar as notas ou subir no conceito dos outros alunos.


Meninos são curiosos e gostam de descobrir as diferenças entre meninas e meninos. Também gostam de fazer experiências incentivados nas aulas de biologia, física e química.

Hoje em dia as alunas são alegres e atrevidas e não hesitam em mostrarem sua beleza e em usarem sexo para ganharem vantagens.

O conceito novo e libidinoso das meninas na escola consta também de outras pesquisas e enquetes. Infelizmente não foram guardadas as centenas de enquetes no orkut a respeito, que mostravam claramente, que rola muito sexo. Perguntados o que seria a coisa mais importante aprendida na escola poucos responderam com matemática, português ou outras matérias do currículo oficial das escolas. Em lugar disso entre as respostas mais frequentes foram: Transar, Beijar, Aprendi transformar meninas tímidas em boas putas, Aprendi que transar com o professor melhora as notas, Aprendi ganhar grana oferecendo minha boca, cuzinho ou xaninha, Aprendi que muitas meninas andam sem calcinha, Aprendi que muitas meninas gostam de serem xupadas com fervor, Aprendi que muitas meninas gostam de tapas na bunda nua, e alguns até escreveram: aprendi ganhar grana oferecendo meninas a outros.

Uma das últimas enquetes do orkut pôde ser guardada e está a disposição aqui:Qual foi a coisa mais importante na escola

Outras enquetes, às vezes com muito mais entrevistados, foram deletados quando o orkut acabou, entre eles:

Quais são as melhores coisas q vc aprendeu na escola?

http://www.orkut.com.br/Main#CommPoll?cmm=104551728&pid=1552006476&pct=1322397774

http://www.orkut.com.br/Main#CommPoll?cmm=105680945&pid=1505740940&pct=1322399349

O que é o mais importante que vc aprendeu na escola?

http://www.orkut.com.br/Main#CommPoll?cmm=104551728&pid=56557548&pct=1333365984

http://www.orkut.com.br/Main#CommPoll?cmm=105680945&pid=1451571900&pct=1333366921

Qual foi a coisa mais interessante q vc aprendeu na escola? (particulares)

http://www.orkut.com.br/Main#CommPoll?cmm=104551728&pid=1190093144&pct=1346916204

http://www.orkut.com.br/Main#CommPoll?cmm=105680945&pid=72063488&pct=1346921382

 

Fran Santos, a menina que ofereceu o cuzinho com o sinal de ok “Quer meu cuzinho, quer?”




Fran Santos (Francyelle dos Santos Pires), a jovem gostosa de Goiânia (Goias) de quem o ex-namorado publicou um video de pornô no internet, não quer ser considerada uma  puta e se esconde. Fran Santos, ou Francielle dos Santos Pires, da Goiania, virou famosa por seu vídeo bem puta publicado supostamente por seu namorado, e pela dedicação que a jovem gostosa mostra no chupar, e por frases como “Quero tudo na minha boquinha” ou “Não sou uma vadia, uma prostituta”. Sendo ela tão deliciosa já recebeu inúmeras ofertas, entre elas um fã entusiasta que queria pagar R$ 10 mil para sair com a loira safadinha e bonita. Infelizmente muitos hipocritas falam assim como ela tivesse feito um mal. Por isso ela até saiu do seu trabalho.
Uma pena que as pessoas não são sinceras e elogiam a moça por ser uma verdadeira puta na cama, segundo a dica: Seja dama na rua e puta na cama. Fran, vc é um bom exemplo para outras meninas, não fez nada errada. Seja orgulhosa que vc recebeu uma oferta de 10 mil, uma soma absurda de que outras meninas só sonham. Vc é gostosa e sua boca promete. Continua assim.Fran, vc não precisa ter vergonha, você fez o bem para o seu ex-namorado. Não deixa-se entimidar, quando alguém te aborda. Responde sorrindo, com autoconfiança, que não se arrepende. Não pode ser que em nosso mundo um político que rouba e merece ser morto porque rouba o dinheiro dos pobres responde sorrindo aos jornalistas enquanto uma menina que chupa e transa tem que se esconder. Não é vergonha ser puta, muito mais se é bem puta para seu namorado ou esposo. Você fez uma coisa boa e certa, não deixa-se convencer do contrário, cada menina boa teria feito o mesmo. Saia, assume e aproveita sua nova fama para posar no playboy ou namorar.

Fran Santos, “a menina do gesto”, já era tem a face de uma anjo, mas não somente na cama mostra as qualidades de puta safada. Três anos ela transou com um homem que é casado e tem três filhos. Nesse meio tempo ela engravidou e deu à luz uma menina de hoje 2 anos. Infelizmente Fran não se lembra, quem é o pai da menina.

A chupadora brasileira ganhou fama internacional. Na Rússia tem agora uma casa de “apoio” a prostitutas novinhas com o nome da chupadora famosa Fran Santos do Brasil.  Casa “Fran Santos” , em russo дом Фран Сантос, fica anunciado nessa placa, junto com um escritório de um arquiteto. Dono da casa é a máfia russa, e nela prostitutas e putas no poder da máfia recebem cursos de educação, treinamento e aperfeiçoamento.  Parabéns, Fran, temos orgulho de vc.

Enquete:

63% dos homens aceitariam numa boa, se Fran Santos oferecesse o cuzinho para eles assim como ela faz no vídeo famoso.Nova enquete revela também, que 70% dos homens de Goiânia já viram a moça nua, principalmente nesse vídeo famoso.
81% dos homens aceitariam serem chupados pela moça dedicada. 23% falaram que até pagariam pelo serviço.
31% acham a buceta musguenta da menina gostosa, assim como ela é, 42% preferem-na depilada e 18% depilada parcialmente. 
2% falaram que conhecem a moça pessoalmente

Um fã escreveu: “O quem tem demais nisso, que homem não quer uma mulher assim, totalmente safada e que ainda pede pra gozar na cara, que libera o cuzinho e ainda e muito gatinha? E tá na hora da mulherada parar com esse puritanismo de merda e se soltarem mais, garanto que com uma mulher assim, homem não vai procurar outra de jeito nenhum!”
Henrique, outro fã, detalha: mó gata essa safada!!
fica triste não.. eu te perdoo, vem comigo! vai vendo!!
e buça peluda não tem problema, é só tá cheirosinha q tá valendo!!
mulé q mete ass

Entra na omunidade Fran Santos no google: https://plus.google.com/u/0/communities/113122646919623307868

Vídeos: Veja Fran Santos chupar, masturbar, gemer e cantar que (não) é prostituta, em dueto com McUbuzinho:

xu.bmp xu.bmp-001

O vídeo original se encontra nesse site: http://www.mallandrinhas.net/2013/10/fran-de-goiania-mina-do-gesto-que-virou.html

(Veja os videos de Fran tb em baixo)
Piadas que pessoas más contam: Qual é a diferença entre uma boneca e Fran Santos? – A boneca não chupa, se você enfia nela.


Qual é a diferença entre Fran Santos e uma puta de rua?


A puta não ri quando enfiam nela.



Qual é a diferença entre uma cadela e Fran Santos?

A cadela não geme, chupa e goza se você a estupra.

Qual é a diferença entre um bicha e Fran Santos?

O bicha nem sempre oferece o cuzinho se vc está sozinho com ele.



Fãs fazem homenagem a Fran na frente do seu trabalho, a loja Flamboyant de Goiánia, onde a gostosa é vendedora.

Em baixo: Vídeos: Fran Santos diz em entrevista que ela não é  a prostituta.    

Vídeo com música de Fran Santos Chupadora e McUbuzinho: “…sou puta, quer meu cuzinho, quer?” :  http://www.pornhub.com/embed/960626021  (clique o link para assistir)



http://www.pornhub.com/embed/960626021

Posted by Picasa

http://www.pornhub.com/embed/960626021

55 % das meninas estragam o caráter depois de se tornarem prostitutas



Meninas se entregam por motivos bons e justos à prostituição. A principal razão é que a menina quer ou se vê obrigada a ajudar à família, parentes, amigos ou ao namorado ou esposo que arcam com custos extraordinários por doenças, dívidas, morte, imprisionamento ou outros revezes. Outra razão são dívidas próprias. Outra razão é obediência a homens, que as mandam prostituir-se, seja para serem exploradas indevidamente, seja para fazerem-nas contribuírem a projetos como ajuntar dinheiro para construção de casa o abertura de uma pequena empresa. Outra razão é que querem melhorar a vida de filhos, irmãos ou sobrinhos, pagando plano de saúde ou escola para eles. Só umas 15% das meninas entram na prostituição por apego ao luxo, pela vontade de aparecerem mais do que outras pessoas, por apetite sexual exagerado e safadeza, ou por outras razões vis.
As meninas, então, não têm mau caráter, mas são como todas as outras meninas. Têm marginais, criminosas, rebeldes, birrentas e outras mal-intencionadas entre elas como em outras profissões, mas a maioria são meninas de boa vontade.

Mas o problema é, que 55% das meninas perdem essa disposição com o tempo e se deixam influenciar para o mal, seja por clientes, colegas e cafetões maus, seja por enjoarem com a situação e pensando em alternativas por caminhos errados, seja por serem maltratadas e não conseguirem sempre responder ao mal com amor, bondade e meiguice, seja pelo desprezo da sociedade que as trata com desdém, deixa sem atendimento religioso, não fornece a elas uma ética profissional e generaliza que toda prostituta é má.
Assim as meninas são empurradas para o mal, e por essa razão mais da metade delas, 55%, estragam o caráter com o tempo e viram pessoas más que pensam só em si, não trabalham com ética, dedicação e amor, e enganam seus clientes e superiores, se tiverem uma oportunidade.

Claro que elas não são as únicas. Por exemplo, até dos médicos, que começam com ideais e ética muito altos, quase 10% estragam o caráter durante a carreira e participam em coisas do mal. Nos advogados o número chega a 25%, nos pastores até para 28%. O pior desempenho é de uma profissão que certamente não deixou esperar outro resultado: os políticos. Cerca de 35% dos políticos não são criminosos antes de virarem políticos profissionais, mas querem fazer o bem. Desses 35% mais de 90% estragam o caráter durante sua vida de políticos e se ajuntam no pensar e fazer à maioria dos colegas maldosos deles. Uma situação igualmente penosa se encontra entre juízes e outros funcionários públicos ricos e poderosos.
Mas isso não deve servir como pretexto para as meninas. O que pode ser feito para melhorar o caráter das meninas?
O movimento “Piranhas para Jesus” acentua três pontos importantes para acabar com esse desvio de prostitutas para o lado mau e criminoso.
Em primeiro lugar a sociedade deve deixar de menosprezar as prostitutas. Hoje em dia uma pessoa séria como um pastor, padre, médico ou trabalhador sente orgulho de aparecer publicamente ao lado de políticos ou traficante, mas não quer ficar perto de prostitutas. Isso é uma inversão de valores. Essas meninas boas sofrem preconceitos e desdém, e pessoas, que roubam milhões e são direta ou indiretamente responsáveis pela morte ou miséria de pessoas, são reverenciadas. A sociedade deve reconhecer que putas são na maioria meninas e mulheres boas, que fazem mal a ninguém. Deve tratá-las como qualquer outra mulher. Assim como outras pessoas ela precisa de amigos bondosos e de caráter firme e bom, para se fortalecer com o exemplo deles, Se ela é sempre só circundada de cafetões e marginais, ela vai ser contagiada pelo mal.
Em segundo lugar as prostitutas precisam de ética profissional e educação. Nisso consta a importância de cafetões, além de associações de prostitutas, que elaboram uma ética, ensinam e educam as meninas. Muitas vezes um cafetão, que bate em uma prostituta mesmo merecidamente, é perseguido pela polícia que alega que a prostituta não pode ser disciplinada mesmo fazendo coisas erradas. Mas qualquer ser humano fica mais fácil no caminho se é vigiado. Um policial, por exemplo, sabe que corre risco de ser punido, se ele aceita suborno, bate sem razão, rouba ou estupra. Se o governo falasse, que os policiais poderiam fazer o que quiserem, como acontece em alguns países da África, eles se comportariam muito pior, e com o tempo a maioria deles praticaria o mal. Pelo bem deles eles são vigiados. Se fazem o mal, devem ser punidos. Se possível, não devem perder o emprego, porque assim a família deles perde a base financeira e passa necessidades. Assim também uma prostituta que comete um mal, não deve ser demitida, mas exemplada através de castigos, que doem tanto, que levam a um arrependimento sincero.

Em terceiro lugar as prostitutas devem ter livre acesso a igrejas e outras religiões, sem discriminação. Se já médicos, marceneiros e empregadas precisam da igreja para serem sempre lembrados de trabalharem sinceramente, de estudarem a palavra de Deus, de orar, de amar e de fazer boas obras, tanto mais uma puta. Não seria uma solução boa proibirem às igrejas de excluir as putas, porque uma igreja é uma associação e deve ser livre em suas decisões, mas se deve apelar a elas para elas mudarem o esquema de discriminação de putas e abrirem as suas portas para elas. Através da religião as putas viram mais meigas, aceitam seu destino e começam a entender, que servir aos outros não é uma humilhação, mas um ideal religioso e um privilégio
.